sexta-feira, julho 31, 2009

Reacções negativas em França às excessivas e desordenadas concentrações de autocaravanas


Em vésperas do pico da estação alta de Turismo, e da presença e circulação dos autocaravanistas turistas,
alertamos:
- não às concentrações excessivas...
- não ao estacionamento desordenado
- não ao estacionamento horizontal à linha do horizonte


Para quem lê francês...ou tem um bom tradutor on line, sugere-se:

quinta-feira, julho 30, 2009

Volkswagen Camper (autovivenda') black edition só para a Alemanha

Tradução para quê? Exclusivement réservé au marché automobile allemand, le Volkswagen California Black Edition doté du bloc diesel TDI de 130 ch sera proposé à partir de 77 736 euros

quarta-feira, julho 29, 2009

caravanismo de luxo, novos modelos de caravanas para os emiratos arabes....

40.000 euros?
MINI Cooper S Clubman and Airstream creation designed by Republic of Fritz Hansen. Courtesy BMW group
As new technology has encouraged – nay dictated – that we increasingly live our lives on the move, with phones, computers and entertainment systems taking the concept of “mobile” to design’s cutting edge, it seems odd that mobile living in its basic form – a home on wheels – has never registered on the cool radar.
al Shaikh’s Relax RV Camping ground will open within weeks among the dunes of Ras al Khaimah. “It will be a camping experience like no other in the region,” he claims. “Although our visitors will enjoy luxury accommodation, it will still enable them to get a true impression of desert life.”


Guests will be able to stay in the static campground or head out on their own or with a driver to experience mobile living in splendid isolation. “I expect many of our visitors to be local families who want to make the most of the desert but don’t want to give up their comfort to do so,” says al Shaikh.

While the interior styling is traditional, the specification is anything but. In the largest of the Coachmen RVs comforts include air conditioning specially modified for the summer heat, a separate double bedroom, power shower, flat-screen TV and a full-sized refrigerator. Not to mention a main living area that expands a full metre in width when the trailer is parked. “People have had enough of five-star hotels,” al Shaikh explains. “Here they will feel they have experienced something new in life – learn about Bedouin food and the plants, trees and animals of the desert – knowledge that our young people know little of.” Al Shaikh’s RVs may not have the futuristic lines of Deam’s architectural interiors but their integration into such a traditional aspect of Emirati life has arrived at an interesting point in the history of mobile living.

terça-feira, julho 28, 2009

Fiat Ducato domina 2/3 do mercado de motores de autocaravanas na Europa

(vencedor do prémio pelo III ano consecutivo)

The Italian Fiat Ducato has just taken the coveted Which Motorcaravan Base Vehicle winner’s accolade for the third year running.
Along with the awards from the United Kingdom-based magazine, the success of the design is reflected in the marketplace - two out of every three motorhomes in Europe are built on the Fiat Ducato base and there are more than 400,000 Fiat Ducato motorhomes on the road in Europe alone.
The Trakka Trakkaway 830, shown (foto) , is one of the latest motorhomes to be based on the Fiat Ducato base vehicle. The Fiat Ducato, according to the magazine, has also transferred its success to Australia, providing vehicles for the eight Australian motorhome companies.
The Fiat Ducato base vehicle was designed specifically for the motorhome market and this year’s award presented by the United Kingdom’s Which Motorcaravan magazine recognizes the added benefits offered by Fiat’s six-speed automated manual MTA gearbox which it says provides the economy and performance of a manual and the ease of use of an automatic. The chassis versions come in a range of lengths and heights with different axles and construction materials to suit a range of designs. The entire drivetrain is contained to the front of the vehicle with the fuel tank ahead of the load area. This means equipment that has to be inside other conversions can be placed under the floor, freeing up living space, and that floor is lower, improving ease of access.
Ver entretanto o protocolo celebrado pelo MIDAP com a ITALIAN MOTORS de LISBOA em: www.midap.blogspot.com

segunda-feira, julho 27, 2009

Mais um blog em portugues sobre Autocaravanismo: que tenha longa vida!


O autor, ainda não colocou o nome ou pseudónimo na assinatura do Blog
nem identifica o mail de contacto.
Mas todos sabemos que se trata do excelente companheiro autocaravanista MCAS.
E não estamos a violar nenhum dever de confidencialidade ou reserva, porque MCAS
apresentou à comunidade da blogo-esfera a sua feliz criação nestes termos:

Forum do Camping Car Portugal
Colocada: Seg Mai 11, 2009 7:02 pm Assunto: Novo blogue

Vivam! Resolvi criar um blogue sobre...ora sobre que havia de ser??? -É um blogue não só, mas também... -O essencial, futuro, está escrito na apresentação. -O que lá não está, subentende-se no que lá está. -Não haverá de tudo, como na farmácia, mas haverá. -Não será umas "páginas amarelas", mas terá cor. -Não se medirá ao quilómetro, nem ao visitante. -Não terá só a letra, mas também a música. Não haverá apenas prosa, mas também poesia. -Não terá um formato, mas muitos. -Não será "pronto a vestir", mas vai-se vestindo Enfim, será o que for...o mais eclético possível. http://viajantelusitano.wordpress.com/

e quem entre no blog recebe esta oferta simpática que reproduzimos, coma devida vénia:



"Ah! Seja como for, seja para onde for, partir!" Fernando Pessoa

sábado, julho 25, 2009

Nova Zelândia: autocaravanistas defendem este modo de viajar, que consideram estilo zen...

Zen and the art of motorhome travel
By Hamish McNeilly
(fonte The Star)
In front of Winnebago RV Club members and their motorhomes parked at the Dunedin Railway Station on Saturday afternoon are Kate and Neil Whithear of Christchurch, and Archie (2). Photo by Peter McIntosh. Millions of dollars in luxury motorhomes rumbled into Dunedin on Saturday afternoon as part of a 10-day southern safari organised by the Winnebago RV Club.

The 18 motorhomes, which range in price from $150,000 to $250,000, began their "Untouched South" safari from Moeraki on Friday before meeting at the Dunedin Railway Station on Saturday. Club spokeswoman Kate Whithear, of Christchurch, said the southern safari was the club's second.

The first was a "Top of the South" safari in November.
The "Untouched South" safari would take in Dunedin, the Catlins, Hauroko, Manapouri and Te Anau before finishing in Balfour on April 27.

"It is a great way to travel."
Club members were encouraged to travel independently, to avoid a convoy developing and were given recommendations on what to see and do in each area, she said.

Meeting at the Dunedin Railway Station car park, club members deftly reversed their motorhomes, some of them up to 8m long, into the narrowest of spaces before boarding the 2.30pm train on the Taieri Gorge Railway. A director of motorhome dealer Freedom RV, Mrs Whithear said most clients were over 50 and enjoyed seeing the country in the comfort of private motorhomes.

David Whitmore, of Greymouth, said he bought a $180,000 motorhome after selling his farm a year ago. He enjoyed the freedom it offered. "It is good meeting up like this, as a club, because we are all from different walks of life," he said. Jenny Christensen, of Pisa Moorings, said she preferred a motorhome to the VW Kombi in which she travelled around Europe in her younger days.

sexta-feira, julho 24, 2009

Federação de Campismo apoia o Projecto de Lei discutido na AR sobre Autocaravanismo

No último número da Revista Campismo e Montanhismo, editado pela FCMP, (Abril, Maio e Junho de 2009) incluiem-se duas páginas sobre autocaravanismo e em que também se reproduz o PJL 778/X sobre autocaravanismo, o que é positivo.

Como é positivo que a FCMP reconheça que tal projecto de diploma surgiu em boa hora, e assim o louvor que endereça aos deputados Mendes Bota e Câmara Pereira, autores do Projecto.

Mas já não é positivo que a FCMP se arrogue ser a entidade que tutela e regula esta disciplina afim do campismo. Não é verdade!!! Nem sequer de todos os parques de campismo, pois os privados, no sentido d eparques de campismod e mepresas ou de muncipios e não associatovso nadat~em a vercoma Federação...mas sim actualmente, com a tutela das Câmaras Municipais, em particular, e com a legislação aplicável, em geral

A Federação só será "tutela" e mesmo assim esse conceito não merece a nossa aceitação juridica, quanto ao campismo praticado dentro de parques de campismo...associativos e federados...e nunca, por nunca ser, se aplica ao autocaravanismo que não utilize os parques de campismo para estar em regime de acampamento.

E basta esta veemente discordância substancial por ora, sem prejuízo de aceitarmos a FCMP como interlocutora (mas não de tutela) dos autocaravanistas naquelas circunstâncias.

Texto do site da Federação sobre Autocaravanismo. Advertência!
A transcrição deste texto de modo algum pressupõe a concordância com afirmações feitas, que são desfazadas da realidade, e mesmo dos enquadramnentos jurídicos correctos. Ou seja, só é legítimo associar o autocaravanismo ao campismo, se por opção o autocaravanista aceder a um parque de campismo, e para a primeira das duas situações:
- ou para fazer campismo, usufruindo do espçao exterior da autocaravana

- ou apenas para estacionarem regime de pernoita

Contrariamente ao que se poderia deduzir do texto irrealista e obsoleto da Federação, há em Portugal Parques de Campismo que distinguem as duas situações, conforme as preferências do seus clientes, praticando ncessariamente tabelas de preços distintas, conforme os autocaravanistas usem o parque para acampar, ou para estacionar.

Exemplos? pois (entre outros) o Alenquer Camping, aliás pioneiro nestas práticas, e patrocinador deste Blog, e que mantem um protocolo com o CPA, precisamente para as situações de estacionamento, e utilizaçao da estação de serviço pelos autocaravanistas não campistas...

Segue-se pois o texto da Federação com alguns destaques.

Sem qualquer margem para dúvidas, a autocaravana é a solução ideal para quem procura passar férias em liberdade e a procura dos espaços naturais que se nos deparam ao longo do país e por toda a Europa é cada vez maior.

A procura desses espaços abertos - seja no campo, na praia, na montanha ou ainda na cidade - tem levado muitos à aquisição deste tipo de material rolante que dispõe, cada vez mais, de maior comodidade, melhor qualidade, maiores espaços e uma vasta melhoria de equipamentos.

A prática desta modalidade não é de modo algum económica. Antes pelo contrário. É apenas uma questão de opção e filosofia de vida.

Segundo elementos gentilmente cedidos pela ACAP - Associação do Comércio Automóvel de Portugal - os preços das autocaravanas variam entre os 25.000 e os 65.000 Euros. Além disso, deverá considerar-se as despesas posteriores, como a assistência técnica, os seguros e os impostos. Em termos de portagens uma autocaravana insere-se na classe 2, o que é favorável, se levarmos em conta o seu tamanho. Mas note-se: este tipo de material não é propriamente uma casa de habitação mas um meio da prática de um desporto, sendo condição primordial que esse espírito exista, apesar de algumas serem quase autênticas casinhas. Todos os anos aparecem novos modelos e marcas, com versões cada vez mais confortáveis, espaçosas e com equipamentos de série completos.

Na Europa, existem mais de 2 milhões de autocaravanas, número que continua a crescer a um ritmo de mais de 20% por ano. Em autocaravanas é a Alemanha quem supera todos de recordes.
Uma das grandes vantagens que o Autocaravanismo nos oferece é a sua aptidão para a prática do Campismo no Outono e Inverno. Esta prática pressupõe uma motivação forte e equipamento adequado. Julga-se, por razões de conforto, ultrapassada a solução da tenda, e ajustada a da autocaravana.

Num raio de 100/150 Km sobre a localização da habitação residencial, há sempre motivos de interesse que se atingem facilmente com um máximo de 2 horas de condução, o que é bem razoável para se ganhar o espaço de distanciamento do dia-a-dia. De facto, a rede rodoviária portuguesa hoje permite essas perspectivas de mobilidade com um à-vontade compensador.


Como conclusão apresenta-se os direitos e deveres de qualquer autocaravanista:

• A utilização da autocaravana como meio de transporte, assemelha-se aos automóveis particulares. Responde às mesmas regras de circulação aplicáveis a esta categoria de veículos.

• Nos centros das cidades ou em qualquer casco urbano devem escolher-se lugares de estacionamento provisório:- de baixa densidade populacional- onde não prejudique a visibilidade e o comércio geral- onde não constitua obstáculo para a circulação viária.

• A utilização da autocaravana deve fazer-se nestes lugares:- sem usar o espaço exterior do veículo- sem causar problemas aos moradores da zona- sem monopolizar os espaços públicos- vigiando os animais domésticos de modo a evitar a eventual sujidade.

• A evacuação das águas residuais ou sujas efectuar-se-á somente em locais apropriados para o efeito, como áreas de serviço, instalações sanitárias públicas ou privadas, estações de serviço, etc. Atenção: as redes de águas pluviais não podem ser utilizadas (sarjetas ou boeiros) para o esvaziamento das águas residuais (em especial das sanitas) uma vez que esta rede não tem tratamento de depuração por ETAR (Estação de Tratamento de Águas Residuais).

• Em andamento, as válvulas de esvaziamento de águas residuais deverão permanecer fechadas.• Os lixos domésticos devem ser armazenados em sacos de plástico sendo, posteriormente, depositados em locais para este fim.

• A aplicação destes princípios contribuirá para a obtenção do respeito de todos, à preservação do meio ambiente e ao bom acolhimento dos autocaravanistas nas regiões visitadas".

A opção pelo auto alojamento tem vindo a aumentar nos últimos anos e por isso é cada vez maior o número de autocaravanas nas estradas portuguesas. Apesar de devido à sua autonomia poder pernoitar fora de parques de campismo, a primeira coisa que um autocaravanista deverá fazer é dirigir-se a um clube campista para recolher informações importantes e úteis sobre o autocaravanismo.

Posteriormente se quiser pernoitar com a sua autocaravana num dos parques de Campismo Associativos terá que requisitar a Carta de Campista Nacional, através desse mesmo clube e se ele for filiado na Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal.

É sabida a escassa propensão dos autocaravanistas na frequência de Parques pois que, entre outras razões, estes veículos são auto suficientes e, raramente necessitam dos serviços que estes lhes oferecem. Alguns há que estacionam, para pernoitar, nas proximidades de alguns parques e, segundo os seus proprietários, deterioram o meio ambiente. Mas, quando bem utilizadas, isso não acontece!

Para evitar esta triste situação, criaram-se em toda a Europa áreas especiais, próprias para estes veículos. Existem cerca de 3.000 em França, 4.000 em Itália, 3.000 na Alemanha, etc. Ali, a troco de uma taxa simbólica, podem pernoitar, despejar os seus produtos residuais e reabastecer os seus veículos. Outras há, na periferia das cidades que, dispondo de transportes públicos, permitem deslocações ao respectivo cento urbano, evitando deste modo o estacionamento de veículos de maiores dimensões no seu interior.

Fomenta-se assim a sua indústria turística consequentemente enriquecida com tais iniciativas.São aos milhares as autocaravanas estrangeiras que visitam anualmente o nosso país durante todo o ano e se deparam com o problema da proibição de estacionamento e/ou pernoitar, vendo-se obrigadas a permanecer em Parques de Campismo que, em 80% dos casos estão superlotados na época alta, não dispondo a maioria deles as condições mínimas para receber este tipo de material.

Em Portugal as unidades turísticas - nomeadamente os proprietários dos Parques de Campismo – ainda não procuraram uma solução que agrade a ambas as partes e a situação de impasse continua. Decerto que se estes vierem a considerar uma zona para aparcamento exclusivo de autocaravanas com fornecimento dos serviços mínimos que este tipo de material exige (com pagamento de uma taxa reduzida), os seus utilizadores a eles recorrerão, quanto mais não seja, por uma questão de segurança.

Mas como tal ainda não acontece os Parques de Campismo continuam a ser a única solução e por isso os autocaravanistas devem respeitar as suas regras e os outros campistas, tentando que os seus veículos não incomodem os outros.

Vale, pois, a pena escolher uma autocaravana pensando na sua qualidade e amortização não só em Julho/Agosto, mas todo o ano, e vale a pena inventariar os parques de campismo que sejam bons endereços e com capacidade de resposta adequada para as necessidades do Outono/Inverno. Mas não só de parques de campismo vive o autocaravanista. Quando utilizada racionalmente, a autocaravana é a solução ideal para usufruto daquilo que a natureza graciosamente nos oferece, seja no campo, seja na praia, seja no interior de qualquer localidade.

quinta-feira, julho 23, 2009

Rotarios Franceses e Autocaravanistas organizam passeios culturais


São 23 autocaravanistas,
nem sempre solitários, nem sempre em grupo!


Vingt-trois camping-cars arrivent dans les Cévennes gardoises ce lundi. Ils quittent Florac où ils se sont rassemblés dimanche et arrivent par la corniche des Cévennes pour stationner sur la place de la gare, à Saint-Jean-du-Gard. Une nuit à cet endroit, puis deux autres au camping des Sources, avant de repartir de Saint-Jean-du-Gard jeudi matin, en direction de Saint-Hippolyte-du-Fort, puis du Larzac. Retour par les Gorges du Tarn dimanche pour boucler ce circuit régional.Étonnant rassemblement...

Ceux qui pensent que le camping-car est affaire de solitaire en recherche de liberté de mouvement permanent doivent réviser leur jugement. Michel Bongard est à l'origine de ce rassemblement. L'homme est sédentarisé à Bouillargues, quand il quitte son camping-car. Il explique qu'il y a vraiment deux façons de pratiquer les plaisirs du camping-car : « Pour certains, c'est du 50 % en solitaire, 50 % en groupe. Personnellement, j'ai du plaisir à partir seul jusqu'au fin fond du Portugal, ou à monter sur le Mont Aigoual pour me régaler d'un lever de soleil dans la solitude. Et il y a le plaisir du rassemblement... »

Ce dernier plaisir, il le partage au sein de l'Amicale française des Rotariens camping-caristes-caravaniers. Une association dont la quarantaine de membres est répartie sur l'ensemble du territoire français. « Nous organisons deux rassemblements par an, en mai et en septembre, hors vacances scolaires. Nous en profitons pour visiter une région à chaque fois et c'est toujours l'occasion de découvertes intéressantes.

Une fois, à Brest, nous avons pu visiter un sous-marin nucléaire... Dans d'autres groupes, le rassemblement peut être festif ; autour de la soirée du Nouvel an, par exemple. » Chacun fait découvrir sa région aux autres membres. Le rassemblement régional, c'est Michel Bongard qui l'a soigneusement mitonné, avec un parcours qui s'enroule autour des Cévennes, associant Lozère, Gard et Aveyron.Pour ne pas trop encombrer la route, les déplacements se font en petits groupes.

Tout est question d'organisation : pour trouver des emplacements peu éloignés des villages, ou pour s'occuper pendant les pauses.Bambouseraie, TVC, Trabuc et Musée du Désert sont autant de plats de résistance touristique au menu de la halte saint-jeannaise. Mais ils ont aussi prévu une soirée conférence au camping sur un thème original : "Le dernier curé de Colognac pendant la guerre des Camisards".

quarta-feira, julho 22, 2009

Investimento numa autocaravana: em França, minimo 35.000€, amortizaveis em 7 anos?


Vacances Le camping-car, véhicule idéal pour les voyageurs indépendants

Se déplacer où l’ on veut, s’arrêter au bord de la route pour manger et dormir est bien pratique : on peut ainsi, par exemple, assister à une étape du Tour de France cycliste au Ballon d’Alsace tout en étan t chez soi. Et c’est bien mieux qu’à la télé !
(Credito da foto de Jean Becker)

Les précurseurs du camping-car apparaissent dans les années cinquante. Sur base Volkswagen, ils se partagent alors le haut de l’affiche de la mode avec les caravanes. Puis, au fil des ans, ils réussissent à convaincre et marquent définitivement le monde du voyage et de l’excursion : le camping-car est entré dans les mœurs.

Appelé aussi « autocaravane » ou « véhicule récréatif », il se décline en six grands types : le fourgon aménagé ; la capucine possédant une zone de couchage au-dessus de la cabine ; la cellule amovible à poser sur un pick-up ; le camion aménagé ; l’intégral, luxueux et donc plus cher ; et enfin, le profilé aux lignes aérodynamiques pour une basse consommation.

Avec des prix s’échelonnant de 35 000 € pour le bas de gamme à 130 000, voire 150 000 € pour le top du top, cette catégorie de véhicules touche un panel d’acheteurs variés.

Robert Girardin, gérant du magasin Caravane Girardin à Mulhouse, évoque cependant une chute pour les modèles les moins chers : « Nous sommes actuellement dans une période économiquement difficile. Les conséquences s’en ressentent facilement. Notre clientèle peu aisée, qui se tournait généralement vers des véhicules peu chers, se fait rare, tandis qu’il nous reste des clients au revenu plus élevé qui concentrent leur achat sur des modèles haut de gamme. »

Malgré tout, le gérant signale que les ventes 2009 ont dépassé celles de 2008, confortant un marché « restant assez bon dans l’ensemble ».

Ces petits bâtiments roulants auraient donc le vent en poupe avec une demande croissante et régulière selon les saisons. L’automne et le printemps semblent marqués par de fortes ventes, qui s’expliquent notamment par la proximité des vacances. Avec un délai de livraison de quelques mois, les voyageurs sont ainsi prêts pour un périple sous les flocons ou sous les rayons de soleil.

Et le profil type du potentiel acheteur ?
« On imagine souvent que le propriétaire d’un tel véhicule est plutôt âgé, en retraite. Même si ceux-ci restent les plus nombreux, on remarque que les jeunes se démarquent de plus en plus. En général, ce sont des personnes qui désirent être indépendantes, autonomes et sans souci de réservation à l’avance. Ce sont incontestablement des voyageurs exigeants », indique Robert Girardin.
L’avantage majeur est vraiment l’économie financière

Le camping car représente un investissement non négligeable. Mais qui peut s’avérer rentable. On estime que c’est après une durée de sept à huit ans que l’achat se rentabilise, amortissant alors les frais de vacances.

Celui qui choisit le camping-car pour ses vacances dit donc au revoir aux nuits inabordables des hôtels et aux trajets entre ceux-ci et les lieux à visiter. De cela découleraient alors bien d’autres atouts : partir plus fréquemment en vacances, allonger ou raccourcir la durée du voyage à volonté, ou bien encore éviter les réservations de vacances, au bénéfice de la spontanéité.

Ainsi, passer une nuit confortable à n’importe quel point de son trajet ou encore être complètement autonome en matière de sanitaires ou de cuisine devient possible.

« L’avantage majeur est vraiment l’économie financière. Outre la rentabilité, il faut savoir que si l’acheteur à une envie de revente, admettons dix ans après l’achat, le véhicule n’aura pas perdu énormément de valeur. Selon l’état, 50 % tout au plus », affirme Robert Girardin.

Des avantages conséquents auxquels tout amateur de longs trajets peut être sensible, même si des inconvénients existent : « Il est vrai que l’acheteur doit trouver une place chez lui, pour garer un véhicule pas toujours discret. Et il y a le problème des aires d’accueil spécifiques, qui demeurent rares en France, même si on en aménage de plus en plus », admet Robert Girardin.
Du contre, beaucoup de pour, la mode du camping-car n’est pas près de disparaître…Rémy Poirot

terça-feira, julho 21, 2009

Preços "Outlet" na Marcampo, por exemplo: autocaravana Moncayo nova desde 39.000 euros



Motor
Fiat Ducato 2,3 dCI -130 PS

Características
Alarme
Nº Lugares 4
AUTOCARAVANA Marca MONCAYO Modelo SILVER 735
Comprimento Total (cm) 684
Largura Total (externa/interna) 238/-
Altura Total (externa/interna) 278/-
Nº de Camas
1 Cama Fixa 190x140 cm com somier de ripas e colchão de espuma
1 Cama Transformável 224 x 124 cm
Nº de Lugares Livrete 4
Peso em Ordem de Marcha (Kg) 2560
Peso Máximo Autorizado (kg) 3500
Equipamento Série:
Frigorifico 150 Lts / Toldo Exterior / Antena TV com Mastro / Televisor LCD 15'' / Suporte Bicicletas

P.V.P. OUTLET
39,000.00 €

Garantia de 2 anos do motor e chassis do veículo.Garantia de 2 anos do habitáculo. Garantia de 5 anos de estanquicidade.Esta promoção é para veiculos sem retoma.
FINANCIAMENTO
Entrada 7,800.00 €
Mensalidade 325.07 €
Prazo 60 meses
Descrição ALD / Valor Residual 50%

segunda-feira, julho 20, 2009

9ª e última etapa Férias verão 2009: Regresso de St Jean Pied de Port a Alenquer em autocaravana


9ª Etapa Regresso até Alenquer

Nono dia, fim de um ciclo em algarismos antes de se inventar o zero, depois do nove, novo ciclo…Pelas 7.30h já estávamos prontos para o regresso a casa, e a enfrentar com calma os km de ida, ou regresso a casa, de travessia de Espanha, que iria ser feita mais lentamente do que a vinda…até porque estava assente o objectivo de percorrer uma parte do Caminho de Santiago ainda em falha por estrada…de Pamplona até Burgos com paragens previstas em Puente de La Reina e San Domingo da Calzada.


Saída portanto de subida até Roncesvales, para uma primeira paragem no fresco matinal da montanha, ao encontro com muitos peregrinos a pé e de bicicleta. Depois seguiu-se Pamplona ,mas contornando a cidade…eram as Festas de San Firmin, o centro estava fechado, e a população andava toda vestida de branco e com uma faixa vermelha a cintura…só não vimos os touros à solta!

Chegamos então a Puente de La Reina…que só tem prático interesse pela dita, oferta régia aos peregrinos de Santiago…e seguiu-se Logrono, e San Domingo da Calzada que merece bem mais atenção…e que está a comemoram os seus 800 anos de existência, em ano de Jubileu (Veja-se a propósito a Revista do Expresso de 18 de Julho de 2009)

Até pela lenda do milagre do galo (em parte semelhante a de Barcelos) e pelo facto de frente ao túmulo de San Domingo, haver dentro da Igreja um galinheiro com um galo e galinha brancos, e vivos…com uma fita gravada ligada a um altifalante, com o cantar do galo a repetir-se de 5 em 5 minutos…algo extraordinário numa cidade medieval bem reconstruída. Vejam o curto filme filme no final deste post com o galo a cantar!




A partir daqui…foi rota batida até Alenquer, para deixar a semovente de repouso no Alenquer Camping, o patrocinador deste Blog desde o seu início em Março de 2006, com chegada pelas 22h, hora portuguesa, sem histórias ou contratempos, com um almoço simples pelo caminho,num restaurante de camionistas, e depois paragens mínimas de reabastecimento e pouco mais.

Estava concluída a viagem de 3.700Km de férias de verão 2009, mas quem sabe se ainda antes do Outono, uma segunda parte poderá ter lugar…no mesmo estilo, de calma e tranquilidade turística e cultural, e com duração similar…ideias não faltam…Ardéche, Languedoc, etc.

E apara quem nos lê, e acompanha, boas voltas e reviravoltas também.
Inclusive de neurónios!

video
Links para os posts anteriores (Viagem de Férias de Verão- I)
Introdução, resumo e plano de viagem
http://camping-caravanismo-e-autocaravanismo.blogspot.com/2009/07/relato-de-viagem-ao-sudoeste-de-franca.html
1ª etapa (Alenquer-Alaejos- Birratitz)
http://camping-caravanismo-e-autocaravanismo.blogspot.com/2009/07/alenquer-alaejos-biarritz-primeira.html
2ª etapa (Biarritz- Anglet-Ainhoa-St Pée de Nivelle)
http://camping-caravanismo-e-autocaravanismo.blogspot.com/2009/07/ferias-do-verao-de-2009-em-ac-2-etape.html
3ª etapa (St.Pée de Nivelle- Cadillac-Médoc- Soulac s/ Mer)
http://camping-caravanismo-e-autocaravanismo.blogspot.com/2009/07/ferias-de-verao-2009-3-etape-entre-st.html
4ª etapa (Soulac s/ Mer-Royan-Rochefort-Ilha de Ré)
http://camping-caravanismo-e-autocaravanismo.blogspot.com/2009/07/ferias-de-verao-2009-4-etape-entre.html
5ª etapa (Ilha de Ré-Saintes-Angoulême-Ribeirac-Bergerac-Les Eysies de Tayac)
http://camping-caravanismo-e-autocaravanismo.blogspot.com/2009/07/ferais-verao-20095etape-da-ilha-de-re.html
6ª etapa (Les Eysies de Tayac, La Roque-St Cirq Lapopie, Moissac)
http://camping-caravanismo-e-autocaravanismo.blogspot.com/2009/07/ferias-verao-2009-6-etapa-de-eysies.html
7ª etapa (Moissac-Agen- Cadillac- Bordeaux-Lac Leon)
http://camping-caravanismo-e-autocaravanismo.blogspot.com/2009/07/ferias-verao-2009-7-etapa-de-moissac-ao.html
8ª etapa (Lac leon-Anglet-St Jean Pied de Port)
http://camping-caravanismo-e-autocaravanismo.blogspot.com/2009/07/8-etapa-ferias-verao-2009-lago-leon-ate.html
9ª e ultima etapa (St Jean Pied de Port-Puente de la Reina, San Domingo de Calzada- Alenquer)
http://camping-caravanismo-e-autocaravanismo.blogspot.com/2009/07/9-etapa-ferias-verao-2009-regresso-de.html

domingo, julho 19, 2009

8ª etapa Férias verão 2009: Lago Leon até St Jean Pied de Port em autocaravana



8ª noite St Jean Pied de Port

Começámos o dia no Lago Leon, com a actividade turística intensa de participar na descida (e subida) da corrente Huchet….logo que prontos e comprado o pão do dia, pelas 9.45h, perfilados no guichet dos “batelliers” do Huchet para comprar bilhete, para as 2h de passeio por 12€ cada. Era domingo, não tínhamos reservado de véspera e foi esperar ate a haver uma vaga nos barcos (chatos) que levam 6 passageiros além do barqueiro.

Lá fomos, as fotos podem descrever melhor a paisagem deste parque natural. De Notar as miríades de libelinhas azuis…os vestígios dos javalis nas margens, e das lontras, e os pássaros, incluindo aves de rapina que por lá andam. Vale a pena e recomenda-se! Algo traz à imaginação o pantanal amazónico do Brasil.



Acabada a viagem pelas 12h, rumámos mais a sul, com o objectivo de visitar um amigo francês em Ondres, e ainda ir tomar banho à praia dos Corsários a Anglet. Quase sempre pelo litoral, detectamos mais uma outra área de autocaravanas que pareceu aprazível em Soustons plage, na zona de Port-d´Abrets. Fica para um próximo ano a confirmação.

Com tempo encoberto mas quente, comeu-se na semovente à hora de almoço já nos Corsários: macedónia de alguns legumes com atum, maionese, vinaigraite, queijos, baguette, paté e café, mais os líquidos a condizer, entre eles, vinho Vieux Papes.

Após algum descanso, -praia. Estava maré batida, e por já ser época balnear os nadadores salvadores, eram sete….só na zona dos Corsários…mas o mar estava perigoso, cavado, com corrente, e rapidamente se perdia o pé. Mas valeu a pena ter um mar tipo Guincho com temperatura estilo Algarve, o dois em um!

Já eram quase seis da tarde, e as idas e vinda às ondas com o sol pisca-pisca, fizeram o seu trabalho….era tempo de regressar à semovente e partir para outra! Se bem que somos autocaravanistas e turistas itinerantes, ou não?

Pois foi isso mesmo que se fez...rota para St. Jean Pied de Port, um dos míticos locais de concentração de peregrinos do caminho de Santiago de Compostela, antes de enveredarem pelo Caminho Francês, em Espanha.

Foi sair do acalorado do dia e entrar no fresco do entardecer! Direitos ao parque JAI ALAI para autocaravanas devidamente sinalizado, e pago, com parquímetro, 5 € por pernoita... e já lá estavam várias autocaravana, e logo ao nosso lado um francês que regressava de um mês de férias em Portugal, motivo para longas efabulações da vida de autocaravanista!




Lá subimos às fortificações militares mais uma vez assinadas por Vauban, o genial, e percorremos as ruelas de casa datadas do século XVI e XVII…- uma delas, um albergue, com as botas de peregrino penduradas no arco da porta de entrada! e decidimos fazer um jantar de despedida no terraço fronteiro ao rio, de um restaurante basco bem simpático…e foram-se 34.50€ bem merecidos pelo agneau frites, et pelas saucisses confit. Excelentes.

Mais um passeio a pé pela medieval cidade, e depois sem historia, um sono da última noite na semovente desta viagem de verão de 2009, em férias, sem compromissos socioprofissionais encavalitados…puro turismo itinerante de autocaravana.

sábado, julho 18, 2009

Férias verão 2009: 7ª etapa de Moissac ao Lago Leon em Autocaravana


7ªnoite lago Leon

Pois acordámos em Moissac, mais uma área de autocaravanas para estacionamentos e pernoita e com estação de serviços que não se encontra nos guias que temos disponíveis Recomendamos pois e aqui ficam as coordenadas GPS:
N- 44º 08´ 00,58´´
0- 1º 05´ 08,05´´


A noite não teve problema, mas janelas fechadas, porque se estava num parque de estacionamento simples e comum a outras viaturas. Bastou-nos pois ter as claraboias escancaradas!

Assim, logo que prontos e por ser dia de mercado, -não perdemos habitualmente as visitas aos mercados, sejam cobertos, sejam de rua, sejam de cidade sejam de estrada, ou de qualquer outro tipo, lá fomos ao footing matinal.
Depois foi rever o portal da Igreja medieval (O claustro famoso ainda estava fechado) e que tem a curiosidade do umbral esquerdo, no painel direito representar o diabo em posição estranhamente grotesca diabolizando sexualmente a mulher com os seios a serem mordidos por serpentes e o púbis por um lagarto, enquanto outro painel exorciza morte do avarento com baixo relevos muito expressivos. Fica nas fotos!

Percorremos a feira sem novidade e depois já montados na semovente seguimos para a ponte canal de Moissac, que aliás esta rodeada de eclusas. É muito menos majestosa que a de Briare, mas tem interesse ver uma ponte sobre um rio, que me vez de ser uma estrada (ou um caminho de ferro) é um canal por onde passam barcos….ou seja barcos do canal passam por cima de barcos que em baixo seguem pelo rio.


Etapa seguinte foi Agen, com curta entrada em supermercado para alguns reabastecimentos, e à saída passagem sob outra ponte canal…à semelhança mas mais imponente que a de Moissac. E continuámos para Cadiallac em direcção a Bordéus.

Era hora de almoço, e desta vez parámos em Cadillac, outravez, como no início desta viagem inciada há 7 etapas atrás, no mesmo local frente ás muralhas mas ao invés de comermos dentro de muralhas optámos por comer no exterior, num restaurante hotel de beira de estrada, chamado Detree, na Av du Pont…em boa hora!

Excelente o preço do menú completo….10 euros, menos que os que os 11€ afixados, porque entretanto baixou o IVA nos restaurantes franceses de 19,5% para 5,5%, desde 1 de Julho…tal como em Portugal, não é? e assim o menu habitual de 11 euros baixou para 10€ com sopa, entrada, prato principal e sobremesa…bebidas à parte, mas meio litro de vinho da região é aqui facturado a 3,10€, logo dois almoços custaram 23.10€. Qualidade e quantidade de braços dados.

Até o tempo ajudava e o sol em esconde-esconde não foi impeditivo de comer-se na esplanada exterior. Um sossego. Valeu pois esta revisita a Cadillac!

Seguiu-se calmamente para Bordéus sempre pela margem direita do Rio Garonne, com o objectivo de entra mesmo e ir ao centro desta cidade…uma estreia!

Entrámos sem dificuldade, vindos do sul, no periférico de Bordéus, direcção Bassin de Arcachon, Bayonne e logo, na primeira saída, para o "centre ville" lá fomos. Então! -já lá vão mais de 32 anos de viagens por França, e nunca tínhamos senão circulado pelo exterior de Bordéus, a caminho dos destinos que em cada momento se colocavam... era tempo de irromper pela cidade adentro.

Foi pois uma surpresa o gigantismo da urbe, a imensidão do seu centro, e o enorme número de pessoas que se acotovelavam nas ruas de peões, com saldos anunciados nas montras, em todas as lojas atá 70%. Tudo debaixo de um calor sufocante.

Porém não houve qualquer dificuldade em estacionar a semovente. À sombra, em parque espaçoso reservado a ligeiros e a bus…ditos cars de tourisme, no lado norte da esplanada de Quinconces, frente ao rio, a seguir a Ponte de Pedra, de quem vem do sul…daí ao Turismo foi um passo ...e lá confirmamos que sim senhor que a AC estava bem estacionada e que podíamos seguir descansados ao passeio pedestre.



Lá estivemos, mas não por muito tempo…algo no ar e nos edifícios faz lembrar fortemente Paris, em grandiosidade. Passamos pelo Grand Theatre, seguimos pela rua de Sta Catarina, vimos a torre Pey-Berland, a Catedral pelo exterior e em obras de manutenção, o edifício da Câmara, e mais ruas e ruelas do quadrado central, passando por vários casamentos, em fotos por todos os cantos..era sábado, dia 4, o primeiro sábado de Julho e de férias mais generalizadas.

Feitas as fotos de documentação, era altura de desaparecer daquele ambiente fora do estilo desejado para estes dias de férias, e assim retomámos a marginal, junto ao rio, para regressar na direcção Bayonne…e eis senão quando, do outro lado da marginal (fluvial) aparecem numa autocaravana, em sentido contrário, as letras vermelhas de PAPA LÈGUAS…isso mesmo, o companheiro autocaravanista que mantém um blog com assiduidade rara. Foi essa apenas a terceira vez que vimos uma autocaravana portuguesa, fora de Portugal, nesta viagem…

Rápida troca de saudações pelo telemóvel, indicações sobre o estacionamento que tínhamos utilizado com sucesso…e cada um seguiu ao seu destino, um para sul, em fim de férias, outro para norte em príncpio de férias, como votos recíprocos de boa viagem!

Então lá fomos descendo para sul. Objectivo, o Lago Leon, para ir descer a corrente de Huchet, uma curiosidade natural que consta de todos os guias turísticos e informações sobre reservas naturais.

Para saber mais basta ir pela internet:
http://www.reservenaturelle.couranthuchet.org/

Pois lá chegámos ao fim de tarde, tardios. A área de autocaravanas é ampla, relvada, consta dos guias respectivos e custa 8 euros noite, dispondo de estação de serviços gratuita, onde aproveitamos para uma total toilette à semovente. Como fica junto à paria fluvial (ou lagunar) de Leon, há vários equipamentos como sanitários, com duches exteriores, cafés, restaurantes, parques infantis, canoas e gaivotas para aluguer, parques de campismo e padarias, mercearias ou mini supermercados, tabacarias, etc.

Enfim, um local bem equipado até para uma estadia mais prolongada, especialmente para quem tenha crianças, para beneficiarem de um espaço seguro com praia, floresta e vários caminhos pedestres e para biclicletas.

À hora de chegada, foi preparar logo mais uma vez um jantar, de moules. Desta vez sem as frites, que comemos no exterior da AC numa das várias mesas de pic nic do parque reservadas aos autocaravanistas, e sob uma luminosidade e temperatura ideais, sem mosquitos, nem outros insectos incómodos…e depois a passeata pós janta, a pé pelas imediações, para a consorte se deliciar com um crepe de sobremesa!

Estava concluída a jornada! Lidos jornais, ouvida a rádio, espreitada a televisão, feitos telefonemas habituais para casa para a família, foi entrar em sonhos até Morfeu desaparecer ás primeiras horas da manhã, decerto assustado com os raios solares.

sexta-feira, julho 17, 2009

Férias verão 2009: 6ª etapa de Eysies a Moissac em autocaravana


6ª noite Moissac

Eram já umas sete horas ligeiramente passadas, quando a passarada reagiu ao torpor sonolento dos viajantes da semovente com trinados de alerta. Pois já eram horas de levantar e preparar uma jornada de turista não acidental!

De facto o calendário de tarefas era pesado…início da visita ao Museu Nacional da Pré História que abria as 9.30h, depois inscrição no passeio do comboio turístico com inicio as 11h, para depois ainda movermo-nos para outro local de predilecção do Homem de Cro-Magnon... em La Roque de San Christophe…

De olhos bem abertos lá fomos, e pelos dois saíram a nota rosinha de 10 euros para o Museu Nacional, mais outra rosinha de 10 euros para o trem turístico, e mais 14 euros para a gruta de San Christophe…mas só se pode acrescentar que valeu muitíssimo a pena, e que é de voltar para ver outras grutas e outros locais de reconstituição histórica, nesta riquíssima zona com presença humana desde o Paleolítico de há mais de 30.000 anos, em especial no Vale doVézére!



Para saber mais ainda, é ver na internet em:
www.tourisme-terredecromagnon.com
www.musee-prehistoire-eysies.fr
http://eyzies.monuments-nationaux.fr/fr/?fl_r=2

Pela nossa parte nada podemos acrescentar senão a percepção do universal da identificação maravilhada com a história da Humanidade de que fazemos parte. Tudo muito profissional, muito exemplar, muito pedagógico, e por isso mesmo fascinante. A vontade de voltar, e ficar por aqueles locais pelo menos uma semana, conta com uma carga magnética impressionante. Vale a pena, recomenda-se a todos!

Pois a própria volta turística do comboio tem o mérito da passagem pelo abrigo do Cro Magnon (descoberto nas obras de caminho de ferro) ou da Igreja de Tayac fortificada, etc. O local de La Roque Saint Christophe e o seu boulevard da Humanidade é de não perder absolutamente. Ficam as fotos que dão uma pálida ideia da grandiosidade destes locais e onde tão bem são acolhidos os autocaravanistas.



Ora depois destes três motivos de interesse, rumamos a San Cirq Lapopie, e a meio caminho, já depois e passada Sarlat la Caneda, em Vitrac, à beira rio, do Lot, numa esplanda de um clube de kayaks tivemos uma refeição fresca, agradável e pelo preço aceitável de 22 euros, com vista para os "sportifs" a fazerem canoagem..

A viagem é espectacular numa estrada que corre ao lado do Lot, e que foi escavada na montanha quase a pique e com alturas médias baixas….atenção às capucines, pois há trajectos quase em túnel de 2,90m de altura…há que evitar os cruzamentos e seguir mesmo pelo meio da estrada.

San Cirq Lapopie é um espectacular ponto de interesse também, num alto culminado com as ruínas de um castelo sobranceiro à catedral decorada por dois deltas luminosos (triângulos resplandecentes, ou de esplendor) com casario medieval de respeito…e claro está com malvaíscos floridos em todas as esquinas. Os panoramas são deslumbrantes e impressivos, e quem queira por lá pernoitar, tem um parque de campismo junto ao rio.
Anotamos com estranheza uma escultura moderna dentro da Igreja, uma arvore seca com rodas de bicicleta cujos raios tinham escritos inúmeros pensamentos pseudo filosóficos comuns, decerto uma obra de arte muito “avant garde”…..





Regressámos pelo caminho inverso feito à ida, pois o nosso objectivo era Moissac, para ir ver a Ponte Canal, de que já tínhamos em viagem anterior encontrado um interessante exemplo em Briare (relato neste blog).

Lá chegámos e bem, à área de autocaravanas junto à margem do rio, sinalizada e já frequentada por mais de meia dúzia de autocaravanistas. Fácil de encontrar pois fica ao lado do Hotel do Moulin (antiga moagem transformada em Hotel) mesmo nas “berges” (margens) do rio..e que tem estação de serviços Flot Bleu.

O jantar foi na semovente e agradável como sempre: vista de rio, e os espargos, os patés, o queijo com a baguette, as bebidas e o café final, permitiam que quem se sente bem consigo próprio resultasse de se estar de bem com a vida e com os outros, em especial o nosso(a) mais próximo.

Depois, com um bom tempo e temperatura amena, foi a passeata pelas margens do rio e do canal interior, cujas margens estavam pejadas de embarcações habitadas. Um sossego, e uma qualidade de vida que se atinge sem luxos, nem mortificações.




O sono veio compensar o dispêndio de energias e atenções durante o dia, provavelmente o mais intenso e compensador intelectual e culturalmente de toda a viagem, e impossível de alcançar sem ser nesta formula de turismo itinerante de autocaravana com a consorte como co-piloto.

quinta-feira, julho 16, 2009

Férias verão 2009:5ªetape da Ilha de Ré a Les Eysies de Tayac


5ª Noite Les Eysies de Tayac

Ribombar de trovoada e relampejar foram os matutinos despertadores, e insistentes. A chuva forte só ajudava ao cenário de tempestade. Era sinal de partida mais para o centro do Pais, pois jornais e telejornais e rádio eram uniformes:
"Orages partout!"

Pois foi então levantar ferro (do travão de mão) depois de mais um banho nos chuveiros locais, e o pequeno-almoço da ordem. Fazer a toilette da semovente é que não foi possível, estava entupido o escoadouro das águas cinzentas.

Seguimos então para Saintes, com aideai de ver algo da sua monumentalidade romana, mas a chuva continuava a aprisionar-nos aos bancos da autocaravana. Estavamos sequestrados pelo Clima inclemente! Passamos pois por Angoulême, e além da chuva dissuasora de mais uma paragem apetecida, esta foi adiada, por obras e mais obras multiplicavam dificuldades de estacionamento e orientação.

Seguimos então para Ribeirac, por estradas municipais até que, ao fim de cerca de 6,30h de chuva contínua, surgiu aquela vila esperada, e com sol…pois foi decisão fácil: almoçar na esplanada um prato do dia, salada Midi com camarão, salmão, azeitonas, alface, pêra abacate mais sobremesa, e bebidas para dois…e nem chegou à azulinha foram 18,20€!

Pouco depois Bergerac, e abastecimento no Carrefour de gasóleo, a 0.97…média feita, 9,1 L/100Km ao longo de um percurso de 1.029Km sem reabastecer desde Espanha.

Satisfeito este desiderato, entrada na área de autocaravanas de Bergerac mesmo junto ao rio e com excelentes vistas…havia lugar, era gratuita, portanto o local ideal para fazer a toilette completa, reenchimento de água, e despejos, e deixar a semovente repousar enquanto, agora com bom tempo, irmos deambular ao cais fluvial, depois da ponte, ao museu do vinho e do transporte fluvial (5€ as duas entradas) e ainda flanar um pouco pelo centro onde teria lendariamente vivido o espadachim de nariz protuberante -o Cyrano de Bergerac!




Estava a aproximar-se o termo do dia, e assim mais uns poucos de km até Les Eysies, a capital da pré história…Logo à chegada esta bem assinalada a área de AC…junto ao centro, perto do rio, e para lá nos dirigimos, local de eleição já com várias outras semoventes paradas em terrenos relvados, e com buxos a servirem de cortinados vegetais de alguma privacidade. Cinco estrelas de ambiente, localização, serviços (sanitários de apoio) e preço, 4 euros por noite!




Quem pode exigir mais? Ou melhor? Nem em França nem em Portugal! Pois por lá ficamos, mas as entradas demueseus já estavam fechadas e dos locais de interesse, só possível o passeio com céu azul e luminosidade excelente, pelos exteriores, e jantar, que foi na AC, mais uma vez, depois o recolher informação no posto de turismo para no dia seguinte com tempo e método irmos à parte cultural desta viagem.

Foi pois com bom tempo que mais uma vez voltámos ao sono dos justos e descansados, com as janelas abertas para aliviar o calor que se renovava. Estava concluída a 5ª etapa de viagem, aos dias 2 de Julho de 2009.